Flotador Augere

O processo de flotação evoluído para um novo conceito!

Tratar o efluente de sua indústria tornou-se um processo fácil e livre de complicações, com resultados de clarificação surpreendentes. Indústrias que já possuem em seu DNA a visão de sustentabilidade, elevarão seu negócio para o próximo nível. O Augere é a evolução do processo físico-químico no tratamento de efluentes que utiliza e integra o que existe de mais moderno em automação, instrumentação e Flotação.

Entenda melhor

O processo de flotação possui mais de 42 etapas. A superioridade do Augere não é concha de lodo, ou seu reservatório, nem mesmo o sistema de microbolhas, mas sim o aperfeiçoamento de cada uma dessas etapas, pensadas em cada detalhe. A soma deste conjunto resulta em um novo conceito de equipamento, que chamamos de Augere. Esqueça os sistemas convencionais, o Augere se posiciona em outra categoria, inaugurando um novo produto.

Quer saber tudo sobre o processo de flotação ?
Sua historia, os modelos, quais as vantagens o funcionamento e muito mais, navegue até o final da página e acesse o bloco de conteúdo!

Como funciona o augere?

À primeira vista o Augere possui as mesmas etapas de um flotador convencional, resumidamente: O processo se inicia com a alimentação do efluente, passando pelo floculador hidráulico e o misturador estático, onde recebe a adição de químicos, antes de entrar no reservatório o efluente e microbolhas se unem, sendo distribuído uniformemente no tanque de flotação. Posterior a isso ocorre a flotação, sendo que por um lado extraímos o clarificado e na superfície coletamos o lodo.

Concha de lodo

Este dispositivo permite que a camada de lodo seja removida e não empurrado como nos sistemas de raspadores o que pode causar a ruptura e decantação dos flocos.
É possível variar a velocidade da concha de lodo e do carro de tração, ajustando o espaçamento de cada remoção, volume de lodo coletado e a distribuição do efluente no tanque de flotação.

Entenda quais são essas diferenças, pontualmente:

Características

Flotador Convencional

Flotador Augere

Entrada do efluente

A alimentação é realizada em um único ponto.

Isso ocasiona turbulência, necessita de um reservatório maior para diminuir esse efeito.

A alimentação é realizada por braços rotativos que distribuem o efluente no reservatório.

Esse é conceito conceito chamado de velocidade zero. A turbulência é eliminada permitindo um reservatório de menores dimensões

Microbolhas

As microbolhas são inseridas por meio de diversos registros, entrando pela parte inferior do tanque.

Nesse sistema ocorrem zonas mortas e pontos excessivos de regulagem. O efluente só recebe a carga de microbolhas quando já está dentro do reservatório.

As microbolhas são inseridas em um único ponto, antes dos braços de distribuição.

Assim temos somente um ponto de regulagem e o efluente entra no reservatório já com capacidade de flotar, acelerando o processo.

Dimensões

Devido sua forma construtiva, os reservatórios são grandes.

Como o tanque é muito longo e alto, o floco percorre um longo caminho até a superfície, boa parte do material acaba decantando

Graças ao conceito de distribuição do efluente, o reservatório é menor.

Como o efluente é disposto no tanque com velocidade zero, já com as microbolhas, não é necessário um tanque alto. Não ocorre decantação e a quantidade de químicos usados é menor

Remoção do Lodo

A remoção do lodo é efetuado sempre por raspadores mecânicos.

Existe apenas um ponto de coleta no tanque, os raspadores percorrem uma longa extensão, empurrando o lodo. Essa aglomeração causa decantação e arraste do efluente. A decantação no sistema de flotação é um grave erro, pois o resíduo fica depositado no fundo, obrigando o descarte de fundo

A remoção do lodo é efetuada por meio de uma concha coletora.

No Augere o lodo fica parado! A ponte rotativa conduz a concha por toda extensão do tanque, colhendo suavemente a camada superficial de lodo, permitindo o ajuste da velocidade e profundidade que o lodo é colhido. Desta forma, o lodo não se aglomera, nem mesmo decanta.

Saída do Clarificado

A saída é realizada em um único ponto.

A soma dos itens acima contribui para que parte dos resíduos que não flotaram e nem decantaram, sejam expelidos junto com o clarificado, esse termo é conhecido como arraste

A saída acontece em múltiplos pontos rotativos.

A remoção do clarificado é feita por braços rotativos, localizados atrás dos distribuidores de efluente bruto, eles percorrem toda extensão do tanque suavemente. O tempo de cada volta é o necessário para que a flotação já tenha ocorrido naquele ponto. Com esse método não há arraste.

Geração de Microbolhas

A geração de microbolhas ocorre por bombas específicas.

Parte do clarificado é usado para alimentar a bomba e no seu rotor é injetado ar, o que causa cavitação, reduzindo drasticamente a vida útil deste componente. O sistema gera bolhas maiores, em menor quantidade e instáveis. A manutenção é frequente, bem como a troca de toda a bomba.

A geração de microbolhas é realizada pelo vaso de saturação WAd.

Parte do clarificado é bombeado para dentro de um vaso de pressão, neste vaso é injetado ar pressurizado, ocorrendo a saturação da água com o ar, gerando a microbolha. A bomba utilizada para esse processo é uma bomba comum, e sua única finalidade é alimentar o vaso. Desta forma, um conjunto de componentes comuns, fáceis de encontrar, geram bolhas menores, em maior quantidade, e de forma estável. Sua manutenção é apenas preditiva.

Preparo de Químicos

como a troca de toda a bomba. A dosagem dos químicos é manual.

A dosagem dos químicos é feita pelo operador, que continuada e manualmente despeja uma quantidade de pó em um reservatório com agitador e água. Essa mistura é injetada no efluente. Normalmente não é respeitado o tempo de abertura de cadeia do químico (maturação) e nem a precisão de dosagem, causando gasto exessivo de insumos e variação no resultado do clarificado.

A dosagem dos químicos é automatizada, utilizando I.A. (Inteligência Artificial).

A dosagem é realizada através de uma unidade automática (UAP), cuja finalidade é preparar de forma contínua e precisa a mistura que será injetada no efluente. O equipamento é autônomo, analisa, por meio de diversos sensores e central de controle, as caracatrísticas em tempo real da vazão de água, do volume de pó, o tempo de maturação e volume dosado, entregando uma mistura exata. Desta forma não gera perdas de insumos, falhas humanas e nem variação do resultado final no clarificado.

Mistura de Químicos

A geração de microbolhas ocorre por bombas específicas.

Parte do clarificado é usado para alimentar a bomba e no seu rotor é injetado ar, o que causa cavitação, reduzindo drasticamente a vida útil deste componente. O sistema gera bolhas maiores, em menor quantidade e instáveis. A manutenção é frequente, bem como a troca de toda a bomba.

A mistura de químicos é hidráulica (W-floc).

É utilizado um misturador hidráulico para promover a mistura homogênea dos químicos com o efluente, no tempo necessário para a floculação. O W-floc é eficaz, reduz o consumo de insumos e energia, pois utiliza a energia do fluxo de água para promover a mistura. O W-floc possibilita ainda outras funções, como a correção de pH.

Flotador por ar dissolvido em funcionamento!

Manta de lodo uniforme, dispersão do efluente com velocidade zero, remoção do lodo flotado através de concha rotativa, resultando em maior eficiência na remoção de cargas.

Galeria de fotos

Saiba mais sobre flotadores

  • O que é Flotação?
  • Flotador por Ar Dissolvido
  • Aplicações
  • Vantagens
  • Como funciona o Flotador?
  • Flotador Circular X Retangular

Chegou tarde no Brasil, mas chegou!

A Flotação é um processo considerado moderno no Brasil, mas já utilizado em grande escala em todo o mundo no tratamento de efluentes industriais.
A técnica que utiliza ar dissolvido vem sendo utilizada desde 1920 na indústria de papel e celulose e após a segunda guerra mundial, ganhou escala em outros segmentos.

Enquanto a sedimentação é basicamente o ato de separar, por meio da gravidade, os sólidos sedimentáveis que estão contidos em uma solução líquida, a Flotação é a operação inversa. Com ela separa-se a fração sólida de sedimentos ou resíduos, da fase líquida, por ascensão.

Atualmente, a técnica de Flotação por ar dissolvido virou a queridinha entre especialistas, sendo utilizada em grande escala na indústria, principalmente pela sua capacidade de remoção de carga orgânica, (DBO), sólidos em suspensão, óleos e graxas, etc.

 

A técnica funciona basicamente injetando micro bolhas de ar no efluente a ser tratado. Quando as micro bolhas são inseridas no efluente a fração sólida de resíduos se aderem à elas e então sobem para a superfície, formam uma espécie de espuma concentrada conhecida como camada de lodo, e podem então ser facilmente removidas da água.

O resultado do processo, além de um efluente clarificado com menor carga, temos a redução de químicos e ao benefício de um processo compacto e estável.

Flotador por ar dissolvido – Sistema WAd

O sistema WAd inclui no processo de Flotação a recirculação do clarificado. O efluente a ser tratado é combinado com um fluxo de água recirculada, saturada de ar dissolvido pelo WAd, de forma continuada.

No vaso de saturação as micro bolhas de ar se expandem e ao entrar no tanque de flotação elas agregam-se às partículas de poluentes suspensos e flotam para a superfície.

Aplicações

O Flotador pode ser usado como pré-tratamento, em sistemas secundários, tratamento de água, ou recuperação de matéria prima, em processos como recuperação de óleos emulsionados, efluentes de curtumes, lavanderias, matadouros e frigoríficos, petroquímicas, fábricas de celulose e papel, laticínios, processamento de frutas e vegetais, indústrias têxteis, indústrias químicas, indústrias de alimentos, tratamentos e reciclagem de água, ETA’s , etc.

Vantagens

Por conta dos processos descritos acima é que o Flotador industrial pode ser instalado em empresas de diversos segmentos industriais. É preciso saber que a instalação não exige grandes obras civis, sem com isso perder a eficiência.

Destacamos ainda outras vantagens:

⦁ Elevada eficiência na remoção de cargas e sólidos, superior a 90%
⦁ Redução de 20% no consumo de produtos químicos (coagulantes) utilizados tipicamente em processos de decantação
⦁ Não exige o período de maturação comum em sedimentadores
⦁ Permite que quantidades maiores de água possam ser tratadas em menor tempo, comparando com estações comuns
⦁ Maior concentração de lodo (de 2% a 5%). O volume é 10 X menor que a decantação
⦁ Dispensa o uso de adensador
⦁ Menor área ocupada, cerca de 5 a 7 X menos espaço que a decantação
⦁ Sistema contínuo e automatizado, com menor custo operacional
⦁ Operação estável
⦁ Tempo de detenção do Flotador: de 08 a 30 minutos X Decantador: de 1 a 3 horas
 
 

Como Funciona o Flotador?

Como mencionado anteriormente, as peneiras são itens considerados simples dentro do sistema de uma Estação de Tratamento, mas geralmente consomem muito tempo da operação e recursos de manutenção. Nos dias de hoje, esses problemas não deveriam mais ser uma preocupação.

As peneiras também evoluíram! Hoje em dia é possível garantir uma

O efluente equalizado pode receber ou não adição de produtos químicos pelo processo de coagulação e floculação, nos misturadores estáticos e hidráulicos, posteriormente recebem um percentual de micro bolhas gerados no vaso de saturação WAd e imediatamente essa mistura é dispersa no reservatório de flotação.

Como os agentes poluidores flotam, a água clarificada passa através de um separador e é canalizada para fora da unidade, já o lodo é removido da parte superior por intermédio de um raspador.

Flotador Circular X Retangular

Atualmente o modelo em uso mais difundido no Brasil é o Flotador Retangular. Esse uso em escala criou o pensamento coletivo de que esse sistema é mais adequado. Mas o que determina a eficiência deste sistema é sua área superficial em m2, ou seja, a forma construtiva não influencia nos resultados. Se compararmos o espaço necessário ocupado para instalar um flotador retangular e um flotador circular, onde ambos possuem a mesma área superficial, se percebe o grande benefício do modelo com mais conhecimento embarcado.
Em outros países, o modelo mais utilizado já é o flotador circular há anos.

Nos dois esquemas abaixo é possível entender o funcionamento de clarificação do efluente desde sua entrada no Flotador, até a saída da água. No primeiro esquema o Flotador Retangular inicia seu processo com uma grande desvantagem que é a longa área que o efluente precisa vencer para chegar até a superfície e ser coletado, devido ao alto turbilhamento na entrada, é necessário um reservatório de maiores dimensões, esse efeito causa a quebra dos flocos, diminuindo a eficiência e prejudicando o resultado final, ou seja, acontece o arraste do efluente para o clarificado.

Outra desvantagem do tanque retangular é a elevada altura, enquanto o tanque circular é mais compacto e consegue entregar a mesma área de superfície, como é possível observar na imagem abaixo.

 

Muitas vezes é preciso aumentar a dosagem de produtos químicos para compensar esse arraste, e ainda assim o resultado não é o mesmo do tanque circular.
Pode acontecer também a decantação do lodo no fundo do reservatório em sistemas retangulares, o que é um grande erro, já que o Flotador deve eliminar o lodo que flutua na superfície e não decantar.

Conheça também nossas outros Flotadores